Olá! A ideia, neste blog, é que seja você, visitante, a fazer os posts. Para tal, é fornecido o user name: oblogaberto e a password: blogaberto Clique onde diz Comece Aqui e ponha o username e a password para começar a postar. Use-me... mas não me abuse!
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: ::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: ::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: ::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Arquivo do blogue

quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

"Muxima"



"Muxima" é uma canção tradicional angolana, que exprime o pedido de alguém que, sendo acusado de feitiçaria, pede que o levem ao santuário da Muxima para provar que está inocente. Segundo a crença popular, os feiticeiros morrem ao entrar no santuário.

"Liceu" Vieira Dias, o líder do grupo musical angolano mais marcante nos anos 50 e 60 do século passado chamado Ngola Ritmos, fez um arranjo desta canção, a qual se tornou no maior de todos os êxitos que o grupo teve. De então para cá, inúmeros artistas têm vindo a interpretar esta canção popular, que se tornou quase num hino.

Neste clip, podemos escutar uma excelente interpretação de "Muxima", pelas vozes do angolano Don Kikas e do caboverdiano Tito Paris, actuando ao vivo em Lisboa, no programa televisivo "Kandandu".

(Publicado por Denudado)

2 comentários:

Anónimo disse...

Amei esssa interpretação. Gostaria muito de saber a tradução desta letra, já sei que é "hino" em Angola, mas gostaria de saber a exata tradução, é possivel? Quem sabe?

Denudado disse...

Caro/a anónimo/a

Lamento não poder satisfazer o seu pedido. Os meus conhecimentos de kimbundu são muito rudimentares. Já foi uma verdadeira proeza ter sido capaz de traduzir a canção "Mon'ami", por Lourdes van Dunem... Na verdade, "Mon'ami" está escrita num kimbundu muito simples e acessível, mas a "Muxima" não; tem muito mais que se lhe diga.

Um abraço